Opinião

A politização e os sujeitos do lixo

Qualquer abordagem da problemática do lixo em Luanda passa, necessariamente, pelo estágio de mercantilização em que foi transformado o “produto”, que, segundo especialistas na matéria, não tem sido explorado no limite das vantagens possíveis, dentre as quais a de ser fonte produtora de energia.

20/02/2021  Última atualização 08H05
A nulidade do seu lado positivo permite-nos compreender a razão da mera apetência mercantilistas dos operadores do negócio, que em muitas ocasiões consentem que, durante largos períodos de tempo, o lixo discute o mesmo espaço físico com os transeuntes e viaturas, deixando a cidade exibir uma imagem nada condizente com a "jinga" característica dos seus citadinos. O mais recente postal de Luanda é o de uma cidade que brada por socorro, espargindo deslustre de alguns dos seus encantos, que (des)inspiram o artista nas diversas sensibilidades criativas, das quais sobressai as canções "Luanda já foste Linda”, "Xiami” e outras composições relevantes do património colectivo dos seus naturais, habitantes e visitantes. Uma das formas tentadas para a reversão do quadro, depois da suspensão do contrato de limpeza então existente entre o Governo Provincial e as operadores, passou pela promoção da campanha de limpeza realizada no início da semana e aderida por vários citadinos, exercício que preferimos qualificar como um acto de cidadania, ou de quem se sente, efectivamente, sujeito do lixo, pelo que sugerimos uma interpretação amplamente positiva do termo. No quadro das liberdades, apesar de muitas vezes não bem interpretadas, outros vários cidadãos optaram em não participar da referida campanha de limpeza, o que é normal na base do que cada um tem como fundamento, sendo que o mesmo não pode ser dito em relação à politização do assunto, ou seja do lixo. Deste quesito, ocorreu-nos reflectir sobre esta problemática, sugerindo que, em primeira instância, torna-se cada vez mais evidente a necessidade de aposta numa comunicação para a educação e saúde preventiva, que incuta ao cidadão a adopção de uma postura participativa na gestão da cidade, enquanto esfera comum. Para tal, defendemos como objecto de estudo, a elaboração de um projecto profundamente estruturado, com pendor inclusivo e, se possível, afastado ao máximo de quaisquer tendências, cargas emocionais e simpatias político-partidárias, que para reforçar o sentido do título do texto, dispensa a politização do lixo. Com isso, pretendemos dizer que os sujeitos do lixo são, acima de tudo, os cidadãos, e não os políticos, sendo certo que os dois beneficiam da sua ausência, no caso resultante de campanhas de limpeza, como a realizada no dia seguinte ao dia de São Valentim, comemorado a 14 de Fevereiro. No demais, e só mesmo por deturpação do conceito de activista social, transformado na profissão de "contrário", é possível entender a desinteligência da politização do lixo, quando em verdade e pela verdade, o conforto promovido pela ausência do lixo, feitas as contas, devolve alguma salubridade aos seus sujeitos. Na compreensão que se requer, a condição obriga-nos a proceder como verdadeiros cidadãos, em todas as circunstâncias que ele - o lixo - for o nosso "interlocutor", e a não nos coibirmos de colocar acima dos nossos, os interesses dos outros, sem os quais para nada serve qualquer acto de vozear, que não passa de politização do lixo. E porque em política todos os tempos (passado, presente e futuro) têm valor e produzem efeitos à dimensão do plantio, os que se identificam com o lixo, enquanto fenómeno social ligado à aspectos de cidadania, dão os melhores exemplos de que nada se ganha com a adopção de medidas contrárias ao desejo e bem comuns. À margem do lixo, convenhamos, são inúmeros os problemas da nossa Luanda, que a tornam uma cidade maltratada, salvaguardando, pois claro, as raras excepções, que não têm força para anular o sentido de institucionalização do mal que em grande parte, procede do comportamento dos seus habitantes, sobretudo os que preferem a politização do lixo.

Carlos Calongo

Jornalista

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política