Política

Angola entre os países com melhor governação

Análise incide na participação da sociedade civil nas decisões, direitos e inclusão, Estado de Direito e desenvolvimento humano.

17/11/2020  Última atualização 09H25
País está entre os oito africanos que não registaram declínio na governação no ano passado © Fotografia por: Contreiras Pipa | Edições Novembro
Angola encontra-se no grupo de oito países africanos onde ocorreram melhorias na governação entre 2010 e 2019, segundo o relatório da Fundação Mo Ibrahim (IIAG) 2020.

O país ficou classificado no 43º lugar, mostrando sinais de progresso crescente. Angola somou 40 pontos em 2019, mais 5,4 do que em 2010, sendo o terceiro país entre 54 que mais melhorou nos últimos cinco anos.

O documento, que regista o desempenho dos 54 países africanos, destaca que, desde 2010, o ano de 2019 foi o primeiro a apresentar um declínio face ao ano anterior (2018), colocando oito países fora desta deterioração da qualidade de governação, designadamente Angola, Tchad, Etiópia, Cote d'Ivoire, Madagáscar, Seychelles, Sudão e Togo.

Refere que, tendo em conta o facto de as análises se limitarem a 2019, para alguns países como a Etiópia, havendo outros onde isso acontece devido aos conflitos de natureza política interna e que poderão ter uma menção distinta em 2020.
O IIAG é sustentado na análise dos seus especialistas a quatro categorias determinantes: "Segurança e Estado de Direito”, "Participação, direitos e inclusão”, "Bases para as oportunidades económicas” e "Desenvolvimento humano”.

O relatório, que é geralmente considerado a mais substantiva análise à qualidade da governação nos 54 países africanos, destaca ainda que entre 2010 e 2019 os níveis de melhoria foram sentidos nas quatro categorias, ao ponto de 61 por cento da população africana viver hoje em países cujos índices de governação geral melhoraram de forma substancial. Os oito países destacados no continente conseguiram melhorar em todos estes aspectos, sendo a razão para a ênfase, segundo o relatório, o pressuposto de que, em todos eles, seja difícil garantir a performance no próximo relatório, tendo em conta alguns episódios ocorridos.

O documento transporta para a actualidade, ainda, alguns elementos de análise que não estavam em evidência nos anteriores, como é a questão ambiental e a igualdade, resultado de uma melhoria na disponibilização de dados pelos países. Destaca, também, as oportunidades que as comunidades têm para ser ouvidas pelos detentores do poder político. A questão das vozes civis que são ouvidas é um elemento que tende, segundo analistas, a impor-se como elemento de diferenciação positiva na governação, face ao que até aqui têm sido as categorias privilegiadas, como as melhorias económicas e o desenvolvimento humano. Nesta perspectiva, a Fundação Mo Ibrahim entende que, para o futuro, os países terão melhor governação, quanto mais o poder político escutar as vozes oriundas da sociedade civil e menos reprimir as suas manifestações.

Continuar a trabalhar

O economista Rui Malaquias considera positivo o facto de Angola ter somado 40 pontos em 2019, sendo o país que mais subiu. De todos os países que tiveram melhorias, disse o economista, Angola é o que teve a melhoria superior.

Rui Malaquias referiu, contudo, que o 43º lugar (de 54) é, ainda, uma posição muito modesta. "Mas, de facto, mostra que há algum trabalho a ser feito e a ser reconhecido", sublinhou

" Angola tem que continuar a trabalhar mais.  Tem que melhorar a percepção que os nossos confrades africanos e o resto do mundo, onde estão os maiores investidores, têm sobre Angola e lutar para que, no próximo ano, dentro dos 54, estejamos pelo menos nos primeiros 10", referiu Rui Malaquias, em declarações à Rádio Nacional de Angola(RNA).

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política