Cultura

Arquivos são suporte das nossas identidades

O ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Jomo Fortunato, destacou ontem, em Luanda, que os arquivos, enquanto guardiões do nosso passado colectivo, têm a responsabilidade de salvaguardar a documentação produzida ao longo da história.

10/06/2021  Última atualização 04H55
Angola conta com novas instalações do Arquivo Nacional © Fotografia por: Santos Pedro| Edições Novembro
Numa mensagem, por ocasião do 9 de Junho, Dia Internacional dos Arquivos, assinada pelo ministro Jomo Fortunato, sublinha que os repositórios asseguram "a constituição e preservação da memória cultural, institucional e pessoal, sendo um suporte dos nossos direitos e identidades”.

"O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente (MCTA) reconhece os inúmeros de-safios que os arquivistas e utentes têm encontrado, no entanto, quanto mais conscientes das nossas competências, iremos ultrapassar os grandes desafios do fu-turo”, realça a mensagem, adiantando que "celebrar o Dia Internacional dos Ar-quivos é, igualmente, preservar um legado patrimonial e cultural, mantendo viva a chama da história de Angola, estimulando as fu-turas gerações a enfrentar um processo educacional de preservação,  conservação e investigação”.

De acordo com a mensagem, comemorou-se ontem, o Dia Internacional dos Arquivos, ocasião que considera, particularmente, oportuna para uma reflexão profunda, em torno da gestão dos arquivos nacionais.

"Angola inaugurou, recentemente, as novas instalações do Arquivo Nacional de Angola, instituição preparada para efectuar um conjunto de novas operações de conservação e preservação, difíceis de superar no passado, facto que constituiu um marco de suma importância, no domínio da Arquivística Nacional”, lê-se na mensagem.

Adianta que neste senti-do, o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente juntou-se às celebrações do Dia Internacional dos Arquivos, numa altura em que os profissionais angolanos dos arquivos estão cada vez mais conscientes da nobre-za das suas tarefas e da missão de servir e consciencializar o público sobre a magnitude e valor do espólio dos arquivos.

O MCTA, sublinha a mensagem, tem consciência da necessidade e vantagens de uma gestão documental que venha a dialogar com as novas tecnologias da esfera comunicacional,  augurando a optimização de uma governação efectiva, visando a concretização de um desenvolvimento planificado.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura