Economia

Ataque cibernético nas Finanças: Processamento de salário não é afectado

Os serviços de processamento de salário e o de arrecadação de receitas do Estado são dos muitos que não foram afectados pelo ataque cibernético, de origem desconhecida, que ocorreu, na última quinta-feira, no Ministério das Finanças.

22/02/2021  Última atualização 21H13
Sistemas de arrecadação mantiveram as funcionalidades © Fotografia por: Kindala Manuel | Edições Novembro
A garantia é de uma fonte do Ministério das Finanças, que aproveitou esclarecer que apenas todos os serviços com recurso a e-mails e pastas partilhadas foram afectados, declaração também partilhada na nota divulgada ontem, pela entidade.

"O Ministério das Finanças comunica que a plataforma tecnológica de apoio às suas actividades com acesso aos emails e pastas partilhadas foi alvo de um ataque cibernético na passada quinta-feira, 17 de Fevereiro, com origem e motivações não identificadas. Não obstante a situação, os sistemas de arrecadação de receitas (SIGT, ASYCUDA, Portal de Serviços, Portal do Munícipe, Portal do Contribuinte e Sistema Integrado de Gestão Financeira do Estado – SIGFE) bem como os portais institucionais encontram-se em pleno funcionamento”, lê-se.

Ainda segundo a nota do Minfin, o Serviço de Tecnologias de Informação e Comunicação das Finanças Públicas está a identificar o alcance da perturbação e os potenciais constrangimentos causados nos postos de trabalho e organismos tutelados, principalmente o programa de desmaterialização da correspondência interna e externa.
Nesse sentido, esclarecem, as equipas do SETIC estão desde então ininterruptamente engajadas na solução e normalização do sistema de e-mails e da pasta de documentos partilhados, mitigando assim os impactos de tal situação na produtividade dos funcionários das Finanças Públicas.

"O Ministério das Finanças aproveita a ocasião para tranquilizar os cidadãos nacionais e comunidade financeira internacional quanto ao firme engajamento nos compromissos financeiros do Estado”, garantem.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política