Desporto

Cinco equipas mantêm invencibilidade em casa

Duas jornadas separam o Girabola'2020/2021 do desfecho da primeira volta. À saída da 13ª jornada, apenas cinco das 16 equipas se mantêm invictas nos jogos em casa. Trata-se do Petro de Luanda, Bravos do Maquis do Moxico, Recreativo da Caála, Ferrovia do Huambo e Sagrada Esperança da Lunda-Norte.

03/03/2021  Última atualização 07H55
Petro de Luanda é uma das equipas com registo imaculado a jogar na condição de visitado © Fotografia por: Vigas da Purificação| Edições Novembro
Entre as equipas que mais derrotas averbaram, até ao momento, no próprio reduto, realce para as agremiações do Libolo (quatro), Desportivo da Huíla e Santa Rita de Cássia, com três.
A equipa sediada na vila de Calulo consentiu derrotas frente ao Cuando Cubango, na 6ª jornada, por 0-2, Sagrada Esperança (8ª/1-4), Bravos do Maquis (9ª/0-1) e Baixa de Kassanje (11ª/1-2). Já os militares huilanos baquearam em casa na 5ª jornada ante o Sagrada Esperança por 0-1, diante do Libolo (7ª/1-2) e Progresso Sambizanga (13ª/0-1), enquanto o conjunto afecto à padroeira das "causas impossíveis” averbou derrotas no Uíge diante do Bravos do Maquis, na 11ª jornada, por falta de comparência (0-3), Sagrada Esperança (10ª/0-1) e ante o Recreativo do Libolo (12ª/0-1).

Numa época atípica e fortemente marcada pela pandemia da Covid-19, que impôs um "novo normal” à disputa dos jogos e reduziu para menos da metade a presença de público nos estádios, o registo de resultados surpreendentes e desnivelados persiste em ser a nota predominante do campeonato.
E, no que às surpresas diz respeito, realce para a derrota imposta pelo Santa Rita ao candidato ao título Petro de Luanda por 2-1, no Uíge, na 4ª jornada; a derrota por números expressivos (4-1) aplicada pelo Sagrada Esperança ao Libolo e a vitória do Bravos do Maquis sobre o 1º de Agosto por 3-2, em pleno Estádio 11 de Novembro, ambos na 8ª jornada. Acrescenta-se, ainda, o revés imposto pelo Wiliete ao Caála, na 4ª ronda, em Benguela.

Como facilmente se pode depreender, o Girabola está fértil em resultados imprevisíveis, facto que ajuda a espicaçar a concorrência e elevar o nível de interesse da competição. O campeonato é igualmente produtivo em termos de golos. Bravos do Maquis é a mais concretizadora fora de casa (16), enquanto a turma da Baixa de Kassanje a que mais consente em terreno adversário (14). Já a Caála e a Académica do Lobito, com apenas um golo marcado, têm os ataques menos produtivos longe do seu "habitat”.

Equilíbrio do topo à cauda da tabela
A curta diferença pontual entre as equipas no posicionamento da tabela de classificação é uma prova clara e inequívoca do equilíbrio que domina a luta pelo título e pelos lugares que garantem a manutenção no campeonato na próxima época.
Do 16º ao sétimo lugar e deste ao terceiro posto, a distância entre as equipas é de apenas três pontos, facto que ajuda a elucidar bem a disputa em curso na maior competição do calendário da FAF.
Mais reduzida ainda é a diferença de pontos entre o actual líder, Petro de Luanda (25), e o segundo classificado, Bravos do Maquis (23). Ou seja, ambos estão separados por escassos dois pontos. As duas últimas jornadas prometem ser um exemplo claro do nível de competitividade e imprevisibilidade de resultados que pauta o Girabola 2020/2021.

Uma "mão-cheia” de jogos adiados
A disputa do Girabola está marcada, também, pelo registo recorrente de jogos em atraso, a maioria dos quais motivado pelo protocolo da pandemia da Covid-19 e o envolvimento de equipas nas competições africanas de clubes da CAF.
Desde o começo do campeonato, a Federação Angolana de Futebol (FAF) já se viu forçada a adiar a disputa de 16 jogos. Deste número, nove (9) intervém o 1º de Agosto, em virtude de ter participado na eliminatória de acesso à fase de grupos da Taça da Confederação. A equipa do Rio Seco foi obrigada a cumprir quarentena domiciliar, como medida de despiste do vírus e ficaram quase um mês inactivos, depois de defrontarem o Kaizer Chiefs da África do Sul, país onde surgiu a nova estirpe do vírus da Covid-19.

Apenas a oitava jornada não teve jogos em atraso. A primeira viu adiado o Sporting de Cabinda - Desportivo da Huíla e Progresso do Sambizanga - Recreativo do Libolo. Na segunda, registaram-se o Cuando Cubango-1º de Agosto e o Sagrada Esperança - Sporting de Cabinda. O jogo 1º de Agosto  -Wiliete de Benguela foi o único adiado na terceira ronda. Na quarta ficou adiado o Desportivo da Huíla-1º de Agosto. Os duelos entre Sporting de Cabinda - Baixa de Kassanje e 1º de Agosto - Caála foram os adiados na quinta jornada. Já a sexta ronda viu adiado os embates entre Sagrada Esperança - 1º de Agosto e Bravos do Maquis - Desportivo da Huíla.

Paulo Caculo

Jornalista

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política