Sociedade

Circulação comunitária do vírus nas outras províncias pode estar a um passo

A circulação comunitária do vírus Sars-CoV-2 nas outras províncias pode estar a um passo, caso não se cumpram com as medidas de prevenção individual e colectiva e cortar a cadeia de transmissão, alertou, ontem, em Luanda, a ministra da Saúde.

21/11/2020  Última atualização 13H50
© Fotografia por: DR
Sílvia Lutucuta, que falava  durante a conferência de imprensa de actualização das medidas de Situação de Calamidade Pública, disse que  tem havido o acompanhamento da evolução epidemiológica em linha com os critérios definidos para a circulação comunitária. "Temos em algumas províncias circulação de conglomerados relacionados com pessoas que escaparam à cerca sanitária, contactos no local de trabalho, mas que se consegue controlar a cadeia de transmissão”, esclareceu a governante.   A ministra lembrou que cerca de 90 por cento dos casos confirmados no país estão em Luanda, sendo até à data a única região com circulação comunitária, ao acumular 11.033 infectados, dos quais 4.601 casos activos, 276 óbitos e 6.155 recuperados.  

Testes de Covid-19

Em relação ao custo dos testes, a também porta-voz da Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à Covid-19 sublinhou que os exames da pandemia são caros e subvencionados pelo Estado.    "Por exemplo, o teste rápido usado para o rastreio custa entre sete a dez dólares a partir da fábrica e o Estado cobra menos do que o valor, sem entrar em linha de conta o custo com os técnicos, material de biossegurança e outros”, explicou a ministra.

Quanto aos critérios de escolha e autorização das clínicas para a testagem, Sílvia Lutucuta justificou que não se pode trabalhar com clínicas que não dão informações reais da actual situação.De acordo com a titular da pasta da Saúde, destas unidades autorizadas há garantias que os resultados vêm em tempo real todos os dias, quer dos testes rápidos serológicos e RT-PCR.   "Temos de continuar a monitorar os preços, mas estamos no bom caminho. Precisamos aumentar a capacidade de testagem dos actuais três mil para seis mil por dia, conforme preconizado”, referiu.
Vacinas
Angola pode ter acesso a 20 por cento das necessidades em termos de vacina da Covid-19 por via da iniciativa Covax, que permite o acesso equitativo, tão logo as condições sejam adequadas.De acordo com Sílvia Lutucuta, a prioridade será para as pessoas de risco com cormobilidades e os profissionais de saúde.

 Existem 10 vacinas que estão na terceira fase e algumas já apresentam bons resultados com 95 por cento de eficácia."Mas é preciso avaliar quais são os efeitos colaterais e uma boa análise de eventuais riscos para garantir que teremos uma vacina que será administrada com toda a segurança e conservada em temperaturas muito baixas, menos de 80 graus”, enfatizou a ministra. 

País regista mais uma morte e 133 novas infecções em 24 horas

O número de casos positivos de Covid-19 no país aumentou para 14.267, com o anúncio de mais 133 infectados, nas últimas 24 horas, distribuídos pelas províncias de Luanda, Benguela, Cabinda, Moxico, Cunene, Huambo, Cuando Cubango, Malanje e Lunda-Sul.Entre os novos casos positivos estão 85 homens e 48 mulheres, com idades compreendidas entre um mês e 80 anos, resultantes de 3.155 amostras processadas por RT-PCR, sendo que 3.023 são negativas, com uma taxa de positividade de 4,2%.Ontem, mais um jovem, de 22 anos de idade, residente em Luanda, morreu em consequência da Covid-19 . O país contabiliza agora 334 óbitos, desde o início da pandemia.

A  ministra da Saúde destacou também que 55 pessoas recuperaram da doença, nas últimas 24 horas, sendo 25 no Namibe, 17 em Malanje, oito em Luanda, três na Huíla e duas em Benguela. O total passa para 7.117 recuperados.Dos 6.816 casos activos, oito estão em estado crítico (0,1%), 11  grave (0,2%), 189 moderados (2,8%), 229 leves (3,3%) e 6.379 assintomáticos (93,6%).  A Equipa de Saúde Mental e Intervenção Psicossocial assistiu 543 utentes através da Linha de Apoio Psicológico. O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 85 chamadas, todas foram pedidos de informação da pandemia.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política