Mundo

EUA/Eleições: FBI “não vai tolerar” brutalidade na invasão ao Capitólio

O FBI garante que “não vai tolerar” a brutalidade a que o povo norte-americano assistiu “chocado e incrédulo”, no passado dia 06 de Janeiro, quando manifestantes invadiram o Capitólio, disse ontem o director-adjunto de Washington daquela polícia federal.

13/01/2021  Última atualização 10H41
© Fotografia por: DR
"A brutalidade a que o povo americano assistiu chocado e incrédulo no dia 06 não vai ser tolerada pelo FBI. Os homens e mulheres do FBI não deixarão nada de lado nesta investigação”, avisou Steven D'Antuono, em conferência de imprensa. O director-adjunto assinalou que o FBI tem trabalhado com o gabinete do procurador dos EUA e com os parceiros das forças da autoridade da capital e do país para a detenção e acusação das pessoas que "participaram na destruição”.
D’Antuono considerou que os mais de 160 processos já iniciados são "apenas a ponta do iceberg” e que as autoridades não podem fazer o seu trabalho "sem a ajuda do povo americano”. "Desde o nosso pedido para ajuda, vídeos e fotografias, recebemos mais de cem mil itens multimédia, o que é absolutamente fantástico. Estamos a analisar cada um deles para pistas na investigação” sublinhou, lançando um novo apelo para mais informações através dos canais do FBI.
"Mesmo que tenham deixado DC [a capital], agentes dos nossos gabinetes locais irão bater à vossa porta se soubermos que fizeram parte da actividade criminal no Capitólio”, afirmou, dirigindo-se aos que participaram nos confrontos. Ainda assim, D’Antuono apontou que estes têm "uma oportunidade de darem um passo em frente, como vários que estiveram envolvidos nos conflitos de quarta-feira o fizeram” e declararem a sua participação nos protestos.
O director-adjunto do FBI explicou que o departamento recolheu indícios de que várias pessoas "planeavam viajar para DC com o objectivo de causar violência”. Adiantou que o FBI está em contacto com os parceiros federais, estaduais e locais e que vai utilizar "todas as ferramentas ao seu alcance” para "encontrar e levar à justiça todos os envolvidos na actividade criminal de quarta-feira”.
Apoiantes do Presidente cessante dos EUA, Donald Trump, entraram em confronto com as autoridades e invadiram o Capitólio, em Washington, na quarta-feira, enquanto os membros do congresso estavam reunidos para formalizar a vitória do Presidente eleito, Joe Biden, nas eleições de Novembro. Pelo menos cinco pessoas morreram durante esta invasão, incluindo um agente da Polícia do Capitólio.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política