Coronavírus

Europa vê luz ao fundo do túnel

A aceleração na entrega de vacinas contra a Covid-19 permite à Europa ver "uma luz ao fundo do túnel", apesar da terceira vaga, afirmou ontem o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton.

29/03/2021  Última atualização 14H40
© Fotografia por: DR
"Temos agora 52 fábricas que trabalham 24 horas por dia, sete dias por semana na Europa para produzir”, sublinhou o comissário, responsável pelo acompanhamento do fabrico de vacinas, em declarações a vários 'media' e citadas pela AFP.

"Temos a capacidade de produzir e de entregar aos europeus os 360 milhões de doses previstas até ao fim do segundo trimestre e os 420 milhões que são necessários (…) para começar a falar de imunidade colectiva e atingi-la em meados de Julho", acrescentou Breton.
O responsável já tinha dito na semana passada que a Europa pode atingir a imunidade de grupo em 14 de Julho.

"Estamos a ver uma luz ao fundo do túnel", afirmou, considerando que "são precisas ainda algumas semanas para se limitar a propagação do vírus, ao mesmo tempo que se vacina de forma muito significativa".
"É preciso, de facto, passar a uma velocidade maior, mas agora sabemos que podemos fazer isso", insistiu, referindo-se ao plano industrial.

Sobre a entrega de vacinas da AstraZeneca, no centro de um diferendo entre Bruxelas e Londres, Thierry Breton reiterou a posição da Comissão Europeia, referindo que "enquanto a AstraZeneca não cumprir as suas obrigações” em relação à União Europeia (UE), "tudo o que for fabricado em solo europeu será destinado aos europeus".
Bruxelas suspeita que o laboratório anglo-sueco está a favorecer o Reino Unido em detrimento dos países da UE.

Segundo Breton, "os britânicos não conseguem conduzir a política de vacinação sozinhos".
"A Grã-Bretanha produziu até agora 10 milhões de vacinas. Foram entregues 20 milhões de doses para ajudar os britânicos. Estão totalmente dependentes de nós", acrescentou, antecipando que o Governo de Boris Johnson pode enfrentar um problema de 'stocks' para a administração da segunda dose aos britânicos que já receberam a primeira.

"É um pouco como 'A cigarra e a formiga': em vez de guardarem a segunda dose, preferiram dar uma primeira dose a todos, sem reserva", sustentou.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Coronavírus