Cultura

Festival de Teatro do Cazenga adiado devido à Covid-19

Manuel Albano

Jornalista

A 9ª edição do Festival Nacional de Teatro “Festvela”, que estava prevista para esse domingo, às 17h00, no auditório da Escola Njinga Mbande, em Luanda, com o espectáculo “Ela me Enlouquece”, do grupo Nelca-Teatro, foi adiado para uma data a anunciar brevimente pela oraganização, devido ao aumento de casos da Covid-19, no país.

14/05/2021  Última atualização 15H50
Companhia de Artes Pitabel é distinguida com o Prémio Carreira desta edição do Festvela © Fotografia por: Eduardo Pedro |Edições Novembro
O festival previa a realização de dois espectáculos por dia, um às 17h00 e outro às 20h00, excepto no dia 22, em que a actividade começaria às 10h00, no auditório da Escola Njinga Mbande, com a apresentação de um musical infantil pelo colectivo Artes Estreia.
Uma hora depois subiria ao palco, o grupo homenageado desta edição, o Conjuntura D’Artes, criado em 2002, por jovens da Igreja Metodista Unida de José Catumbela Lima, para apresentar o drama "Cantador de Serenata”, que narra a história de dois jovens perdidamente apaixonados.

O director de produção do Festvela, Jorge Pangue, disse, ontem, ao Jornal de Angola, que apesar  dos constragimentos, o programa vai  manter-se, aguardando somente pela actualização das medidas decretadas pelo Governo para conter a propagação da Covid-19. Este ano, está prevista  umahomenagem  de reconhecimento do trabalho desenvolvido pelo Conjuntura D’Artes, por há mais de uma década e meia estar a dar um contributo, em prol do crescimento das artes cénicas na capital.

Actualmente, o Conjuntura D'Artes, que tem participado em diversos festivais na capital, é dirigido por Cláudio Luís e conta com 17 integrantes. No repertório do grupo constam, entre outros, os espectáculos "Amor é Ódio”, "Cheque em Branco”, "A Morte do Velho Nzunzi” e "O Mulumbeiro e o Mijão”, a maioria focado em cenas do quotidiano.
Este ano, afirmou Jorge Pangue, a Companhia de Artes Pitabel, fundada em 2001, é distinguida com o Prémio Carreira. O convidado especial desta edição, informou, é a Companhia de Artes Horizonte Njinga Mbande.

Dos 22 grupos inscritos este ano, explicou, apenas 17 foram apurados e vão actuar no festival, a ter lugar em dois palcos, um no auditório Njinga Mbande e outro na ONG ADPP. Entre os grupos seleccionados para actuar, o destaque vai para o Projecto Teatral Sandjuca, que exibe o drama "Batalha do Sexo”, Walara Teatro, a encenar "Soldados de Rua”, Ana Manda Teatro, com "Marido de Brinquedo”, Xábada Wiza, no espectáculo "Encaixe” e Companhia de Teatro AG, com "Paixão em 4 actos”.

Além destes participam, também, os grupos Himani Artes, que apresenta o drama "40 Minutos de Vida”, o Twassakidila, a exibir "Restos”, Estrela Missionária, com "O arrependimento”, São Lucas, com "Noite Com a Grávida”, Affro Thetro, com "Revelações Afectivas e Sexuais”, Artes Estreia, com "Marcas de Guerra”, e Catarcis Teatro, com "Os 3 irmãos de pais diferentes”.
O Festivela vai ser realizado no intuito de revitalizar a dinâmica das artes cénicas, desvalorizada nos últimos dois anos na capital do país. "O objectivo é fomentar a criação artística, através da realização de espectáculos de qualidade, com muito profissionalismo e ética”, justificou, Jorge Pangue.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura