Sociedade

Fibra óptica eleva a qualidade das telecomunicações em Cabinda

Bernardo Capita | Cabinda

Jornalista

Os serviços de telefonia móvel e de Internet, na província de Cabinda, passam a ter mais qualidade e velocidade, com a inauguração, ontem, pelo ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, do cabo de fibra óptica que liga Luanda à fronteira do Yema, a 17 quilómetros da sede da província mais a Norte do país.

09/05/2021  Última atualização 09H25
Manuel Homem procedeu à inauguração do cabo de fibra óptica que liga Cabinda ao mundo © Fotografia por: António Soares | Edições Novembro| Yema Cabinda
O cabo de fibra óptica tem cerca de 800 quilómetros de extensão e passa pelos municípios do Nzeto e do Nóqui, na província do Zaire, atravessando a República Democrática do Congo (RDC), e pelas cidades de Matadi e Boma, Região do Baixo Congo.

Depois do ponto de conexão de Massabi, visitado na sexta-feira, Cabinda passa a dispor de duas infra-estruturas de conexão de fibra óptica, que vão melhorar as comunicações na província, "invadida” pelos sinais de telecomunicações dos vizinhos CongoKinshasa e Congo Brazzaville.

Manuel Homem disse que, para o sector, o projecto representa um marco importante, porque sinaliza um conjunto de acções práticas que têm sido realizadas. Acrescentou que o projecto de fibra óptica trouxe para Cabinda mudanças significativas no panorama das comunicações electrónicas.

Segundo, ainda, o ministro, com essa ligação, Cabinda passa a estar integrada na rede nacional de comunicações em banda larga, com infra-estruturas físicas que ligam esse ponto ao resto do país.

"Com isso, as operadoras nacionais e internacionais do sector das telecomunicações, empresas ligadas aos ramos de desenvolvimento económico no sector petrolífero, ou outras que investem em Cabinda, passam a ter capacidade de poderem conectar-se e aferir maior qualidade aos serviços que desenvolvem”, sublinhou Manuel Homem.

Assegurou, por outro lado, que as populações sentirão, muito brevemente, uma maior qualidade dos serviços de Internet, mas garantiu que os desafios do sector das Telecomunicações não terminam aqui.

Desafios do futuro
Em termos de perspectivas, o governante disse que o Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social  vai continuar a alargar a rede de comunicações móveis em determinadas localidades da província, para permitir que possam beneficiar do programa de inclusão digital, tal como acontece no resto do país.
As mudanças tecnológicas que têm sido realizadas, referiu, permitirão cumprir a agenda da digitalização que o continente vem perseguindo.

"Ao entrar na rede única africana, permitirá, igualmente, que as nossas infra-estruturas de cabos submarinos possam estar disponíveis aos outros países africanos e, com isso, tornar o nosso país uma potência em telecomunicações a nível da nossa região, como está definido no Plano de Desenvolvimento Nacional”, perspectivou.

O governador de Cabinda, Marcos Nhunga, afirmou que a inauguração do cabo de fibra óptica, na fronteira do Yema, representa um momento histórico para a província, porque passa, daqui para a frente, a ter  melhor qualidade e velocidade nas interligações telefónicas e de Internet. "Cabinda sai a beneficiar porque é pela primeira vez que, através da fibra óptica, se liga-com o país e o mundo”, sublinhou.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade