Política

General Chilingutila teve sentido de Estado

O ministro da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria, João Ernesto dos Santos “Liberdade”, considerou que o general Demóstenes Chilingutila, enquanto vice-ministro da Defesa, foi um patriota que soube interpretar as adversidades então vigentes no cenário político angolano.

26/01/2021  Última atualização 07H34
General Demóstenes Amós Chilingutila © Fotografia por: Edições Novembro
Numa mensagem de condolências pela morte do general, na manhã de domingo, o ministro sublinha que o general Chilingutila mostrou um "elevado sentido de Estado” e, com o exercício do cargo de vice-ministro da Defesa Nacional contribuiu no processo de consolidação das Forças Armadas Angolanas (FAA) no que concerne aos recursos materiais e infra-estruturas.

João Ernesto dos Santos "Liberdade” lembrou, ainda, que Chilingutila foi um nacionalista que muito cedo integrou o movimento revolucionário para a conquista da Independência Nacional, sendo um dos notáveis protagonistas e testemunhas da assinatura dos Acordos de Bicesse, entre outros entendimentos que nos conduziram à paz e à reconciliação nacional.
"Nesta hora de dor e luto a que nos associamos, em nome do Ministério da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria das Forças Armadas Angolanas e no meu próprio, curvo-me perante a memória do malogrado e apresento à família enlutada a expressão dos meus sentidos pêsames pelo infausto acontecimento”, conclui a mensagem.
 
Trajectória heróica

O Grupo Parlamentar da UNITA considera o general Demóstenes Amós Chilingutila "um quadro militar, de uma trajectória heróica de batalhas pela liberdade e democracia”.
Numa nota de condolências, o Grupo Parlamentar do maior partido da oposição, onde o malogrado militou, refere ainda que o general Chilingutila colocou a sua pedra no alicerce da construção de Angola como Es-tado Democrático e de Direito, quer como militar co-fundador das Forças Armadas Angolanas (FAA), quer como deputado à Assembleia Nacional.

Demóstenes Amós Chilingutila foi deputado de 2008 a 2017, tendo sido vice-presidente do Grupo Parlamentar da UNITA e secretário na Comissão de Trabalho Especializada de Defesa e Segurança da Assembleia Nacional.
"O general Chilingutila inspirou várias gerações no partido e na sociedade, pela  dedicação às causas em que acreditou, com a sua voz de comando inconfundível, com o seu trato fácil e, mesmo depois de estar fora do Parlamento, colocou-se sempre à disposição para qualquer solicitação do grupo parlamentar (da UNITA), para o cumprimento de tarefas de programação, no contacto com os cidadãos e no apoio moral e material aos que dele precisassem, pelo que a sua morte retira do nosso seio um valioso e distinto servidor de Angola”, lê-se na nota.

Demóstenes Amós Chilingutila nasceu em Novembro de 1948, na província do Bié. Foi, em duas ocasiões, chefe do Estado-Maior das extintas FALA, o extinto braço armado da UNITA. No âmbito do processo de reconciliação nacional, foi vice-ministro da Defesa Nacional e uma das figuras de proa na constituição das FAA.

O general na reforma foi membro da Comissão Política da UNITA e deputado à Assembleia Nacional. Até à sua morte, aos 73 anos, Chilingutila integrava o conselho da presidência da UNITA.
O grupo parlamentar da UNITA conclui a nota endereçando à família enlutada "os mais sentidos pêsames e desejando paz à alma do General Chilingutila.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política