Regiões

Huíla: Obras do PIIM concluídas entre Agosto e Setembro

As obras financiadas pelo Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), na província da Huíla, terminam entre Agosto e Setembro deste ano, anunciou, sexta-feira, no município dos Gambos, o governador Luís Nunes da Fonseca.

22/02/2021  Última atualização 05H15
Governador avalia projectos © Fotografia por: Arão Martins | Edições Novembro| Huíla
Trata-se de projectos ligados à Educação, com 57 obras, Saúde com 32, vias de comunicação com 26, Energia com 21, Águas com 19, edifícios públicos e equipamentos sociais com 14, Habitação com seis, Ambiente com quatro e cinco programas direccionados ao apoio à agro-pecuária.
Nos municípios da Matala estão em execução 23 projectos, Lubango (22), Jamba, Gambos  e Humpata (15 cada), Quipungo (14), Caluquembe (13), Cuvango e Chibia (12 cada) e Quilengues (10).

Até à presente data, foram inaugurados 39 obras nos 14 municípios da Huíla, a primeira do país com obras financiadas pelo PIIM concluídas.
O PIIM na Huíla foi lançado em Junho de 2019, com uma carteira de 184 empreitadas, orçadas em 41 mil milhões de kwanzas.

O governador provincial, que falava no final de uma visita aos projectos do PIIM nos Gambos, afirmou que, embora algumas obras estejam atrasadas, com a paragem de dois ou três meses por conta da Covid-19, vão conseguir recuperar o tempo perdido.
"Estamos convictos de que em Agosto ou Setembro as obras do PIIM estarão todas terminadas”, garantiu Luís Nunes da Fonseca.

Entre as obras do PIIM visitadas no município dos Gambos, a 150 quilómetros a sul do Lubango, estão os projectos de abastecimento de água à vila do Chiange, de irrigação, de asfaltagem da vila (mil 500 metros) e a construção e apetrechamento do Hospital Municipal.
Constatou, igualmente, as obras de uma escola de 12 salas de aula, terraplanagem de 60 quilómetros,  reabilitação de 23 pontos de água e de um centro infantil e de educação comunitária (CIC-CEC).

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política