Política

“Kissassunda defendeu governação honesta”

O governador do Zaire considerou, ontem, em Mbanza Kongo, o nacionalista Ludy Kissassunda como um grande conselheiro e que sempre defendeu uma governação honesta.

14/01/2021  Última atualização 13H08
Província do Zaire prestou homenagem ao ex-governador © Fotografia por: Garcia Mayatoko |Edições Novembro
O nacionalista, general na reserva e ex-governador do Zaire, faleceu no dia 6 de Janeiro, em Portugal, aos 88 anos. Pedro Makita escreveu no livro de condolências, durante a cerimónia de homenagem realizada no anfiteatro do 2º Edifício do Governo local, que vai continuar a pôr em prática os ensinamentos e conselhos sobre como servir, de forma honesta, Angola e os angolanos. "Adeus! Nacionalista, general, ex-governador, conselheiro e ancião. Que a vossa alma descanse em paz”, escreveu Pedro Makita, no livro de condolências.

Ludy Kissassunda, natural da comuna do Kinzau, município do Tomboco, é considerado uma figura incontornável da história da Luta de Libertação Nacional, defensor dos valores nacionalistas e da Independência Nacional, pois cedo aderiu à clandestinidade, tendo ingressado primeiro à UPA e, depois, ao MPLA, onde teve participação activa nas tarefas de mobilização e acção político militar antes da Independência.

O antigo administrador municipal do Nóqui, João Massampo, disse que o malogrado, enquanto governador, entre 1995 e 2004, teve um papel importante na criação de condições básicas para as populações, apesar de ter governado num período de guerra.
"Naquele momento, uma parte do Governo trabalhava no município do Soyo, porque Mbanza Kongo se encontrava ocupada pelas forças militares da UNITA. Depois da libertação, ele fez de tudo para transferir o centro administrativo da província para Mbanza Kongo”, revelou.

Segundo João Massampo, os conselhos do falecido nacionalista foram molas impulsionadoras para a realização de algumas tarefas difíceis na altura. "Foi um bom mais velho, conselheiro, trabalhou muito bem connosco. Na altura, no Nóqui não havia nenhuma infra-estrutura reabilitada. Enquanto administrador, pedi que fosse exonerado. Ele orientou um grupo de empresas para ir lá reabilitar algumas infra-estruturas. De facto, como homem de palavra que foi, cumpriu a promessa, foram reabilitados o hospital e algumas escolas e o processo continuou”, acrescentou.

De salientar que, Ludy Kissassunda, cujos restos mortais chegam hoje a Luanda, foi membro do Bureau Político e do Comité Central do MPLA e do Conselho da Revolução. Desempenhou vários cargos com destaque para Director Geral da Direcção de Informação e Segurança de Angola (DISA), comissário provincial de Malanje, entre 1980 e 1986 e do Zaire entre 1995 e 2004.

Jaquelino Figueiredo | Mbanza Kongo

Jornalista

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política