Economia

O mundo pós-pandemia em números (4)

As previsões da “The Economist” indicam que a Guiana está isolada como um país pouco afectado pelo novo coronavírus e, em vez disso, está a aproveitar uma “maré” de desenvolvimento do petróleo no offshore para impulsionar os diferentes sectores da economia.

14/01/2021  Última atualização 11H25
© Fotografia por: DR
Canadá
Crescimento do PIB: 4,0 por centoPIB per capita: $ 45 930 (PPC: $50 650)Inflação: 1,5%Saldo orçamental: (% PIB) -8,3População:  38,1 milhõesO Governo do Partido Liberal, liderado pelo Primeiro-Ministro JustinTrudeau, necessita  de maioria no segundo mandato e tem de procurar apoio entre os três principais partidos da oposição para aprovar a legislação. O país uniu-se em torno de Trudeau quando a Covid-19 atacou, mas ele terá muito mais dificuldades com o desaparecimento da pandemia. Deslizes na política podem levar o Governo a um fim prematuro. A economia foi atingida pelo vírus e pelos baixos preços do petróleo em 2020 e, embora a crise da saúde vá passar, o petróleo continuará barato. A recuperação total levará anos.
Estados Unidos da América
Crescimento do PIB: 3,6%PIB per capita: $ 64 790  (PPC: $64 790)Inflação: 1,7%Saldo orçamental: (% PIB) -9,2População: 332,9 milhõesA vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais fará a América regressar a uma aparência de normalidade e mudará a política para a centro-esquerda. Mas legislar será difícil e a pandemia está a cobrar um preço elevado (o país tem pouco mais de 4,0 por cento da população mundial, mas sofreu quase 20 por cento das mortes por Covid-19 registadas). A disponibilidade de uma vacina, mesmo que os "anti-vacinas” a evitem, apoiará a recuperação económica. Mesmo assim, o reaparecimento da América será desanimador: a economia americana de 21,5 biliões de dólares não regressará aos níveis de 2019 até ao final de 2021,protestos por justiça racial surgirão regularmente,assim como a polícia vai precisar de anos de reforma antes de aprender a fazer perguntas primeiro e disparar depois.

México

Crescimento do PIB: 3,3%PIB per capita:  $ 8940 (PPC: 19 160 $)Inflação: 3,9%Saldo orçamental: (% PIB) -3,2População: 130,3 milhõesO Presidente, Andrés Manuel López Obrador e o Governo liderado pelo seu partido Morena enfrentam um ajuste de contas nas eleições de Junho. Serão ajudados por medidas anticorrupção populares e uma oposição fraca, mas prejudicados por uma resposta tardia e sem brilho à Covid-19. Tudo pesado, devem manter a maioria. O Governo continuará com políticas redistributivas para apoiar os mais pobres, mas uma recuperação lenta após uma recessão profunda em 2020 significa que haverá menos para ser distribuído.A ver: Olhar para o norte. Depois de se concentrar pouco na política externa, López Obrador procurará melhorar as relações com os Estados Unidos, o principal parceiro económico do México e lar de quase todos os seus 12 milhões de emigrantes.

Argentina

Crescimento do PIB: 6,0%PIB per capita: $ 8530  (PPC: $20 500)Inflação: 45,3%Saldo orçamental: (% PIB) -6,4População: 45,6 milhõesO Governo do Presidente Alberto Fernández poderá obter ajuda do FMI após um acordo com credores privados em 2020. Será bem-vinda: a Covid-19 deixará um grande buraco numa economia que já trabalhava sob controlo de preços e fragilidades estruturais, e outra desvalorização será inevitável se o apoio do FMI não estiver disponível. O Governo perderá alguns assentos nas eleições intercalares em Outubro, mas deve manter a maioria. A inflação irá subir à medida que alguns controlos de preços forem atenuados.

Bolívia

Crescimento do PIB: 3,8%PIB per capita: $ 3350  (PPC: $8090)Inflação: 1,5%Saldo orçamental: (% PIB) -8,8População: 11,8 milhõesLuis Arce, do partido Movimento pelo Socialismo, venceu as eleições presidenciais no final de 2020, o que significará um retorno às políticas intervencionistas que marcaram a sua época como ministro da Economia do ex-Presidente Evo Morales. O país deve lidar com profundos desequilíbrios económicos e orçamentais no meio de pressões concorrentes para promover a recuperação de uma profunda recessão induzida pelo coronavírus.

Brasil

Crescimento do PIB: 3,0%PIB per capita: $ 6940  (PPC: $15 040)Inflação: 2,9%Saldo orçamental: (% PIB) -7,5População: 213,3 milhõesO Presidente Jair Bolsonaro terá como prioridade a reeleição em 2022, em vez de impulsionar as reformas pró-mercado num congresso onde o seu Partido Social Liberal requer o apoio de uma oposição fragmentada para fazer qualquer coisa. Uma disputa pela liderança da câmara baixa, marcada para Fevereiro, vai esclarecer as linhas de batalha, com os partidos de centro-direita da oposição desejosos de controlar a agenda legislativa. Uma resposta negligente à Covid-19 protegeu a economia, mas causou muitas mortes.A ver: Centrado. Eleito como um populista de extrema-direita, Bolsonaro quererá conquistar o apoio do centro para evitar a destituição, sem se desviar da sua base.

Chile

Crescimento do PIB: 4,6%PIB per capita: $ 13 940  (PPC: $25 010)Inflação: 2,7%Saldo orçamental: (% PIB) -8,1População: 19,2 milhõesOs eleitores aprovaram de forma esmagadora um plano para reescrever a constituição da era Pinochet num referendo no final de 2020. A votação foi realizada em resposta aos protestos em massa contra a desigualdade que começaram em Novembro de 2019. Os redactores da nova constituição serão eleitos em Abril e o seu trabalho será ratificado, novamente por referendo, em 2022, originando potencialmente uma viragem à esquerda num consenso político multipartidário de longa data. Uma resposta eficaz à Covid-19 protegeu a economia e garantirá uma recuperação decente.A ver: Fundo de cobre. A produção de cobre aumentará, reabastecendo um fundo de riqueza soberana exaurido por uma generosa resposta orçamental ao vírus.

Colômbia

Crescimento do PIB: 4,4%PIB per capita: $ 5550 (PPC: $15 080)Inflação: 2,9%Saldo orçamental: (% PIB) -5,4População: 51,3 milhõesO Presidente Iván Duque, do partido de direita Centro Democrático, retomará as ambiciosas reformas pró-crescimento à medida que a crise da saúde for diminuindo, incluindo mudanças nos impostos, leis laborais, pensões e assistência médica, além da venda de activos do Estado. Mas isso servirá para restaurar apenas parte das pesadas perdas causadas pela Covid-19. A lenta recuperação aumentará as tensões sociais sobre a entrada de migrantes venezuelanos, acordos de paz com o movimento guerrilheiro das FARC e violência no campo.

Cuba

Crescimento do PIB: 2,3%PIB per capita: $ 9880  (PPC: $13 480)Inflação: 6,0%Saldo orçamental: (% PIB) -5,5População: 11,3 milhõesUma agenda de reforma pró-mercado, que já avançava lentamente, foi suspensa com o golpe da Covid-19 e será retomada com hesitação quando a emergência diminuir. O Presidente, Miguel Díaz-Canel, vai ceder gradualmente a formulação de políticas do dia-a-dia ao Primeiro-Ministro, Manuel Marrero, num afastamento da estrutura de liderança centralizada. A epidemia atingiu uma economia frágil e a recuperação será fraca.

Equador

Crescimento do PIB: -5,1%PIB per capita: $ 5720  (PPC: $11 000)Inflação: 0,0%Saldo orçamenta: l (% PIB) -2,5População: 17,8 milhõesO Presidente Lenín Moreno vai chegar às eleições-gerais de Fevereiro sem o amor do povo, obstruído pela maioria da oposição no Congresso e confrontado com uma série de desafios. As dificuldades orçamentais significaram pouco apoio para uma população devastada pelo coronavírus e a austeridade dificultará a recuperação. Os protestos serão retomados à medida que a emergência de saúde for diminuindo e o próximo Governo, provavelmente sob controlo centrista, herdará um povo turbulento e uma economia fraca.

Paraguai

Crescimento do PIB: 2,9%PIB per capita: $ 4930  (PPC: $13 070)Inflação: 2,1%Saldo orçamental: (% PIB) -5,1População: 7,2 milhõesUma resposta inicial exemplar à Covid-19 foi prejudicada por um aumento posterior de casos. Isso afectou uma possível candidatura do ministro da Saúde, JulioMazzoleni, a candidato presidencial pelo Partido Colorado, no poder, nas primárias previstas para o início de 2021, apesar das eleições, em si, serem apenas em 2023. O Presidente, MarioAbdoBenítez, concentrar-se-á em fortalecer alianças políticas no meio de uma reacção pública contra as alegações de corrupção no Governo. A recessão será uma das mais amenas da região.

Peru

Crescimento do PIB: 9,2%PIB per capita: $ 6340  (PPC: $12 220)Inflação: 2,3%Saldo orçamental: (% PIB) -7,0População: 33,5 milhões
Uma pandemia particularmente dura, económica e clinicamente, fornecerá munições aos partidos nacionalistas antes das eleições gerais de Abril, às quais o titular de centro-direita, MartínVizcarra, não pode concorrer. O vencedor vai herdar uma economia abalada pela maior recessão da região, mas ainda assim em recuperação, após uma década de forte crescimento. O Congresso será fragmentado e turbulento. A ver: Libertado. Se Vizcarra escapar à prisão no final do seu mandato, será o primeiro dos cinco últimos Presidentes do país a fazê-lo.

Uruguai

Crescimento do PIB: 3,5%PIB per capita: $ 14 710  (PPC: $23 960)Inflação: 7,5%Saldo orçamental: (% PIB) -4,0População: 3,5 milhõesLuisLacallePou, do Partido Nacional de centro-direita, lidera um Governo maioritário com apoio popular após a gestão eficaz da Covid-19. Os sindicatos vão resistir aos esforços para reformar a Segurança Social e os impostos podem aumentar para reduzir o défice orçamental pós-pandemia, mas as reformas de produtividade e competitividade devem ganhar terreno. Dois grandes projectos de construção, uma fábrica de celulose e uma reforma de portos e ferrovias, ajudarão a economia a recuperar.

Venezuela

Crescimento do PIB: -1,7%PIB per capita: $2110  (PPC: $4480)Inflação: 640%Saldo orçamental: (% PIB) -16,7População: 27,8 milhõesO Presidente Nicolás Maduro permanecerá no cargo por enquanto num cenário de queda dos níveis de vida e crescente hostilidade no exterior.  A economia, em dólares, contraiu-se em dois terços entre 2018 e 2020 e encolherá novamente em 2021.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política