Mundo

ONU alerta para agravamento da fome na América Central

O nível de insegurança alimentar está a aumentar fortemente na América Central, onde quatro países se confrontam com crises económicas motivadas pela pandemia e catástrofes climáticas, advertiu hoje a ONU.

23/02/2021  Última atualização 15H46
Insegurança alimentar está a aumentar fortemente na América Central © Fotografia por: DR
Segundo o Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar, que em 2018 era de cerca de 2,2 milhões em El Salvador, Honduras, Guatemala e Nicarágua, quase quadruplicou para atingir oito milhões.

Entre esses oito milhões, 1,7 milhões de pessoas necessitam de ajuda alimentar de urgência, precisou o PAM em comunicado, no qual também apela a um maior envolvimento dos doadores.

A agência da ONU sublinhou que a região, onde vários anos de seca e de alterações climáticas perturbaram a produção alimentar, sofreu particularmente os efeitos dos furações de 2020, que destruíram colheitas vitais.

"Os furacões Eta e Iota, que atingiram a América Central em Novembro de 2020, afectaram a vida de 6,8 milhões de pessoas que perderam as suas habitações e o seu ganha-pão”, sublinha a organização internacional.

"Atendendo ao nível de destruição e aos problemas com que se confrontam as pessoas afectadas, calculamos que a recuperação seja longa e lenta”, considerou Miguel Barreto, chefe do PAM para a América Latina e Caraíbas.

Antes da chegada dos furacões, a pandemia tinha já atingido fortemente a população dos quatro países, onde um elevado número de núcleos familiares registou quebra de rendimento ou perda de emprego.

Segundo os inquéritos do PAM, o número de famílias na Guatemala que afirmam não possuir o suficiente para comer duplicou em relação ao período anterior à pandemia, e o número aumentou mais de 50% nas Honduras.

"As comunidades urbanas e rurais da América central tocaram no fundo”, advertiu Miguel Barreto.

"A crise económica provocada pelo coronavírus já tinha tornado inacessíveis os alimentos disponíveis nos mercados para as famílias mais vulneráveis, que ainda foram mais afectadas pelos furacões Eta e Iota”, acrescentou.

"Muitos não têm onde viver e refugiaram-se em abrigos temporários onde sobrevivem com menos que nada”.

Devido à destruição de muitas habitações e quintas, as reservas alimentares ameaçam esgotar-se e as oportunidades de trabalho escasseiam, e perto de 15% das pessoas inquiridas pelo PAM afirmaram pretender emigrar, contra 8% em 2018.

O PAM apelou aos doadores internacionais para intensificarem a sua ajuda indicando necessitar de mais de 47 milhões de dólares (38,7 milhões de euros) para ajudar 2,6 milhões de pessoas nos quatro países e durante os próximos seis meses.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política