Mundo

Operação da Interpol faz milhares de detenções

Uma operação de combate ao tráfico de armas, realizada no mês passado na América do Sul, possibilitou a prisão de quatro mil suspeitos e a apreensão de mais 200 mil armas, explosivos e outros, anunciou, ontem, a Interpol.

07/04/2021  Última atualização 08H42
Operação coordenada desmantelou redes de traficantes de armas © Fotografia por: DR
As prisões e apreensões ocorreram na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.
Baptizada de "Trigger VI” (Gatilho VI), a operação da Organização Internacional de Polícia Criminal também permitiu a abertura de novas linhas de investigação de ou-tros crimes que serão desenvolvidas nos próximos meses, disse à agência de notícias EFE o comissário Ricardo Villegas Pávez, um dos coordenadores da operação.

"É uma das operações mais importantes, porque estamos num contexto de pandemia (...). Nesse sentido, acho que é uma operação única”, disse Villegas Pávez.
Lançada em Setembro de 2019, quando teve início a fase de investigação e informação no Brasil, a operação durou três semanas, entre os dias 8 e 28 de Março passado, em coordenação com a Polícia dos países envolvidos e o Escritório das Nações Unidas so-bre Drogas e Crime (UNODC), além da própria Interpol.

Para Villegas Pávez, a operação destacou, mais uma vez, a importância da cooperação entre os países para travar o crime internacional, que "não respeita fronteiras, tem áreas de produção, trânsito e distribuição” que não atendem às "abordagens tradicionais baseadas na soberania nacional”.

"A única coisa eficaz contra essa ameaça global é uma resposta global dos países afectados. Nesse sentido, a Interpol desempenha um papel fundamental, ao gerar canais de coordenação para enfrentar o crime organizado. Nenhum país sozinho, por mais poderoso que seja, tem poder contra o crime organizado”, disse Ville-gas Pávez.

Entre os resultados da operação está a prisão de integrantes de um gangue do Uru-
guai que usava as redes sociais para promover a violência ou a apreensão no Peru de grandes quantidades de munições provenientes da tríplice fronteira (Brasil-Argentina e Paraguai), com a prisão de dois fu-
gitivos de origem norte-americana procurados por tráfico de drogas.
O secretário-geral da In-terpol, Jürgen Stock, destacou a importância da opera-
ção na América do Sul, "onde as armas de fogo representam uma ameaça gravíssima à segurança e estabilidade” da região.
Villegas Pávez lembrou que as armas de fogo são responsáveis por metade dos homicídios cometidos no mundo, mas na América, que com 13 por cento da população é palco de 37 por cento dos assassínios, o percentual chega a 65 por cento.
Acrescentou que as restrições impostas pela Covid-19 não reduziram o tráfico de armas, uma vez que o crime organizado "adapta-se à situação”, obrigando os sistemas policiais a avaliar como estes fenómenos mudam e a adaptar a sua resposta.
Villegas considerou que "ao atacar o tráfico de armas de forma transversal, elimina-se um importante elo da cadeia dos crimes”, visto que são "um factor catalisador” para muitos deles.
Nesse sentido, a operação desvendou ligações entre o tráfico de armas e fraude nos 27 Estados brasileiros e possibilitou a prisão de um su-posto responsável por uma importante rede de contrabando e falsificação.
Na Bolívia, foram destruídos 27 laboratórios de cocaína, um dos quais localizado na reserva da região do Grande Chaco, próximo à fronteira com o Paraguai, incluía uma pista camuflada para pequenos aviões e sofisticados sistemas de telecomunicações.
Além disso, a operação per-
mitiu resgatar 33 vítimas de tráfico de pessoas, aparentemente de origem haitiana, no terminal de autocarros de La Paz e apreender cerca de 40 toneladas de cocaína, maconha e precursores químicos.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política