Economia

Petróleo a 60 dólares alivia pressão sobre as contas públicas

Preço alcançado nos três primeiros meses da presidência angolana da OPEP está próximo do que, historicamente, melhor representa os interesses de produtores e consumidores.

21/02/2021  Última atualização 21H35
© Fotografia por: DR
Angola foi eleita, em 30 de Novembro, para a presidência rotativa da Conferência de Ministros da OPEP em 2021, em substituição da Argélia, tendo esta eleição colocado o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, na vanguarda dos esforços para estabilizar os mercados petrolíferos globais em 2021.

Constituída desde Setembro de 1960, a OPEP que é integrada a Argélia, Angola, Guiné Equatorial, Gabão, Irão, Iraque, Kuwait, Líbia, Nigéria, República do Congo, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Venezuela, a par de toda a civilização mundial, a OPEP e o seu presidente esperam superar a pandemia da Covid-19 que está a ter um impacto devastador na economia global.

A tarefa da OPEP em garantir que os mercados globais de petróleo recuperem a boa "performance”ao longo deste ano está neste momento sob a responsabilidade de Angola e do ministro dos Recursos Minerais e do Petróleo que, no fim de três meses de mandato, demonstra estar a conduzir este desígnio com rigor e sucesso, pois através da dinâmica concertada da OPEP e da aliança OPEP+(que consiste em 13 membros da OPEP e 10 das principais nações não exportadoras de petróleo do mundo) está a contribuir para a estabilidade do mercado e o máximo retorno de receita para os países produtores de petróleo com o preço do Brent actual, superior a 60 dólares, a ser cerca de 12  dólares mais alto do que o valor referência do final do ano 2020.

À semelhança de outras nações produtoras de petróleo da OPEP, o crescimento económico de Angola em 2020 foi negativo. Desta forma, é do interesse de Angola e de todo o continente africano que o ministro Diamantino Azevedo consiga realizar este caminho de estabilização dos mercados de petróleo no ano de 2021. Este desígnio permitirá a condução de um ponto de equilíbrio entre produção e procura que permita uma estabilidade de preço entre os 65 e 70 dólares, valores médios que historicamente demonstram ser um balanço "saudável” para todas as partes interessadas, desde os produtores, aos clientes industriais, até à sociedade civil e consumidores finais.

Face ao valor do Brent de referência utilizado no Orçamento Geral do Estado (OGE), o valor em mercado internacional é, actualmente, superior em mais de 20 dólares,  pelo que poderemos assistir, ao longo do ano, a um aumento da receita do Governo e um consequente alívio de pressão sobre as contas públicas que permitam realizar investimentos em infra-estruturas e acelerar o processo de vacinação contra a Covid-19, o que contribuirá fortemente para o processo de diversificação económica e de criação de emprego em curso.

Segundo relatórios da OPEP, Angola produziu 1,174 milhões de barris de petróleo em Janeiro, o que representa um incremento de sete mil  barris com relação ao passado mês de Dezembro, mantendo-se como o segundo maior produtor de continente africano, atrás da Nigéria, mas agora com uma margem diferencial menor, visto que este país viu a sua produção cair para 1,342 milhões de barris por dia, pelo que o objectivo de ser a referência continental, não é Miragem, podendo Angola almejar o regresso a uma posição de maior destaque continental e global, que já ocupara entre o final de Dezembro de 2015 e Maio de 2017.

Apesar destes sinais positivos, o momento continua a ser de elevada incerteza, pois, se é um facto que o consumo industrial e da sociedade civil aumentou nos países que já encerraram o processo de confinamento, o facto de uma parte significativa dos países europeus estar novamente confinada desde Janeiro, lança novas incertezas com relação aos valores de reservas e procura global de derivados de petróleo.

Face a este contexto o Comité Técnico Conjunto da OPEP deverá manter activos os cortes na produção de petróleo por mais alguns meses e, potencialmente, durante a maioria do período de presidência de Diamantino Azevedo, pelo que o apoio e os votos de confiança que tem recebido de todos os países-membros serão fundamentais para manter o equilíbrio no seio desta organização e o tão ambicionado valor de referência acima dos 60 dólares ao longo de todo o ano de 2021.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política