Sociedade

Trabalhadores cruzam os braços

Trabalhadores do Hospital Divina Providência, em Lu-anda, entre médicos, enfermeiros e pessoal auxiliares paralisaram, desde segunda-feira, a actividade, alegando o desrespeito pelo cumprimento do caderno reivindicativo apresentado à direcção, que se consubstancia no au-mento salarial, prestação de alimentos e outras regalias.

07/04/2021  Última atualização 13H00
Apesar da greve, o serviço de pediatria está aberto ao público © Fotografia por: Vigas da Purificação | Edições Novembro
No hospital, apenas estão abertos os serviços de internamento de pediatria, medicina e o centro de nutrição. Os grevistas exigem salários igual a da função pública e os respectivos subsídios. O director do Hospital Divina Providência, irmão Miranda André, considera justas os pontos constantes no caderno reivindicativo, mas alega que a instituição perdeu a capacidade de garantir todas as condições que eram oferecidos anteriormente.

Sublinhou que a quota que recebiam do Orçamento Geral do Estado foi reduzida, face à actual condição que o país  atravessa. "Desde Novembro do ano passado que não recebemos nada, o mesmo acontece com as doações que tínhamos direito. O corte da verba, proveniente do OGE, colocou-nos numa situação lastimável”, lamentou o director do hospital.

Nesta perspectiva, irmão Miranda André disse não ser este o momento  do aumento salarial, conforme exigido, referindo que, como medida de contenção de custos, foram obrigados a suspender, momentaneamente, a alimentação para os trabalhadores que não estão em regime de turno. Por isso, apelou à sensibilidade dos funcionários a manterem os serviços mínimos e que prevaleça o espírito de negociação dentro do que é possível resolver, de comum acordo.

O porta-voz da comissão sindical dos trabalhadores, António Ulu, garantiu que os serviços só serão retomados assim que a direcção atender os pontos constantes no caderno reivindicativo. António Ulu  explicou que a Divina Providencia é um hospital com parceria do Estado e há quatro fontes de receitas, o que pressupõe dizer que é possível ter o salário equivalente a da função pública, além dos subsídios que foram cortados e de outros direitos.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política