Desporto

Tribunal impede tomada de posse de Artur Almeida

Com 'buffet' pago e convites distribuídos, uma vez que a cerimónia estava marcada para amanhã, sábado, o Tribunal Provincial de Luanda (TPL), com base na Lei e na Providência Cautelar de Norberto de Castro, entendeu suspender a tomada de posse do presidente reeleito da Federação Angolana de Futebol (FAF), Artur de Almeida e Silva, cujo sufrágio eleitoral aconteceu a 14 do corrente.

20/11/2020  Última atualização 15H00
Cerimónia de empossamento estava agendada para amanhã © Fotografia por: José Cola| Edições Novembro
Em declarações ao Jornal de Angola, Nascimento Benigna, mandatário da candidatura de Norberto de Castro, disse que  a justiça tarda mas chega. "Devido a um conjunto de irregularidades da Comissão Eleitoral Nacional (CEN) da FAF, demos entrada de uma Providência Cautelar no Tribunal Provincial de Luanda, para impedir o acto de empossamento de Artur de Almeida e Silva e membros de direcção. Nunca existiram bases legais para impedir que o candidato Norberto de Castro, não concorresse à presidência do organismo”. 
 Acrescenta, entretanto, que o processo está manchado e viciado. Daí a razão do recurso ao Tribunal para a suspensão da cerimónia. "O Ministério da Juventude e Desportos (MINJUD) deverá igualmente pronunciar-se a qualquer momento sobre o assunto, depois de a CEN ter "chumbado”  o seu parecer, que impunha a reintegração de Norberto de Castro no processo eleitoral”.

Possíveis cenários 

Depois da suspensão da tomada de posse, Nascimento Benigna garantiu que  outros cenários podem acontecer. "A FAF pode ser gerida por uma Comissão de Gestão, ou o mandato de Artur Almeida pode continuar por mais 45 dias. Logo a seguir, ocorre  a convocação da Assembleia-Geral extraordinária, a criação de uma nova Comissão Eleitoral e a marcação de novas eleições”, adiantou o jurista.  Em relação ao desfecho do caso por parte da Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA), Nascimento Benigna diz acreditar no parecer favorável, argumentando que " a FIFA é uma entidade que não compactua com actos de corrupção, sobretudo com pessoas que foram constituídas arguidas e condenadas”. 

Ao prosseguir, o advogado afirmou que as eleições na FAF foram fraudulentas, desde o momento que a CEN afastou, sem razões fundadas, o candidato Norberto de Castro. "A derrota pesada de Artur Almeida e Silva, por 22-5, em Luanda, demonstra que os associados não estão com o candidato reeleito. Nalgumas províncias, recebemos informações de que houve corrupção”, denunciou. Abordado pelo Jornal de Angola, Rui Costa, secretário-geral cessante da FAF, disse que "fiquei a saber da suspensão da tomada de posse, através de pessoas amigas. Por isso, não lhe posso precisar mais nada acerca desta informação”.

  

António de Brito

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política