Regiões

Uíge: Brigadas sanitárias reforçam vigilância no regresso às aulas

O reinício das actividades lectivas no ensino primário, previsto para o próximo dia 10 de Fevereiro em todo o país, na província do Bié, apenas acontece desde que estejam criadas as brigadas de vigilância sanitária para inspeccionar as mais de 652 mil crianças matriculadas em todas as instituições, garantiu a chefe do Departamento da Educação e Ensino da Direcção Provincial.

29/01/2021  Última atualização 08H35
© Fotografia por: DR
Mariete Ramos, que falava à margem do encontro preparatório para o reinício das aulas, afirmou que a medida decorre do reforço da protecção das crianças. Durante o encontro, que juntou directores municipais e inspectores da Educação, fez menção a indicadores que revelaram que algumas escolas têm professores que acusaram positivo nos testes da Covid-19.A chefe de Departamento da Educação e Ensino avançou que as brigadas vão trabalhar como fiscalizadoras das condições sanitárias nas escolas.

"É necessário que estejamos todos alinhados na luta contra as novas vagas do vírus SarsCov 2, que já se propagam por África e com transmissões mais rápidas”, alertou.Mariete Ramos disse que as brigadas serão constituídas pelos directores pedagógicos, coordenadores das actividades escolares e membros das comissões de pais e encarregados de educação e vai funcionar em alternância nos períodos da manhã e da tarde. A gestora da  Educação anunciou, igualmente, para o novo método de aulas e as competências atribuídas aos pais que terão a faculdade, quando estiverem disponíveis, de assistirem às aulas dos filhos, em número devidamente autorizado.Mariete Ramos sublinhou que as brigadas vão ter, entre outras competências, a de elaborar relatórios do quotidiano escolar. Revelou ainda que o sistema de ensino geral na província controla actualmente 652 mil e 767 alunos, dos quais mais de 400 mil nas classes de transição.

Matias da Costa | Cuito

Jornalista

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política