Opinião

Um marco para a viragem

O país assinala hoje mais um aniversário da assinatura do Memorando de Entendimento para a Paz.

04/04/2021  Última atualização 07H07
 A 4 de Abril de 2002, numa Assembleia Nacional engalanada para acolher um dos mais marcantes e transcendentes acontecimentos da Angola independente, os generais Armando da Cruz Neto, pelas FAA, e Geraldo Abreu Muengo "Kamorteiro”, pelas Forças Militares da UNITA, selavam, com um abraço fraterno, que reconciliava irmãos desavindos, o acordo que ditou, definitivamente, o calar das armas. Segundos antes, as duas altas patentes tinham acabado de assinar o documento que alterou o futuro da Nação e, desde então, a vida dos angolanos.

O abraço reconciliador de há 19 anos colocou, pois, fim a décadas de conflito armado entre filhos da mesma terra; pôs termo a anos de desentendimento entre irmãos, colocados em lados contrários de uma barricada erguida por ideologias incompatíveis e perspectivas díspares sobre o futuro que esboçavam para uma mesma terra. A guerra ficou para trás, passadas dezenas de anos e depois de milhares de mortes e de prejuízos incalculáveis, que propiciaram o atraso social e económico que todos reconhecemos.

A assinatura do Memorando que trouxe a paz definitiva, por tanto tempo almejada, perfila-se entre tantos outros acordos tentados, ao longo do período de intenso conflito interno. Pelo meio, contam-se Alvor e Bicesse (Portugal), Gbadolite (RDC), Lusaka (Zâmbia) como das principais arenas por onde passou o processo de reconciliação dos angolanos. Portanto, valeram-nos sempre os esforços e a contribuição de nações e povos que acreditaram na pacificação de Angola. Mas terá faltado sempre algo mais do que a mera intenção; falhou o compromisso e o empenho de um dos intervenientes nos sucessivos esforços para se alcançar a paz. E assim se foi adiando a reconstrução do país e a realização social de um povo.

Até que os próprios donos da terra, conscientes de que seriam eles os alicerces que suportariam o edifício da paz e da reconciliação, caíram em si mesmos; abriram os olhos para a realidade que os cercava, para a importância que representavam no processo. A província do Moxico passou, com o Memorando de Entendimento do Luena, a cenário inicial de um protocolo que culminou em Luanda, a 4 de Abril de 2002. Os angolanos, só eles, sob a vigilância de atentos observadores, começaram por sentar-se à mesma mesa. Afinal, eram os mais interessados em que o país saísse definitivamente do impasse, abandonasse a situação de eterna indefinição, de adiamento de projectos virados para a realização comum.

A história de vida dos angolanos tem sido marcada por actos de bravura e resiliência e por vitórias. Muitas vitórias. E o 4 de Abril representa o corolário de outras tantas conquistas, conseguidas à custa de sangue e lágrimas. Desde que se conhece como país, Angola faz um percurso difícil; realiza uma caminhada longa e sinuosa, marcada por conflitos, para a autodeterminação, principalmente. Mesmo ainda ao tempo dos reinos, as provações foram tantas. Legaram-nos estas terras heróis, mártires e nacionalistas temperados para a luta, para a defesa da soberania, e comprometidos com valores como a justiça, a liberdade, a honra e o patriotismo. Deu a vida pelo país uma plêiade de homens e mulheres valentes, cuja memória temos a obrigação de honrar.

À mente vem-nos a acção de coragem e heroísmo dos camponeses da Baixa de Kassanje, que, em 1961, a 4 de Janeiro, rebelaram-se, não suportando mais os abusos dos colonialistas portugueses. Há 60 anos, deu-se a revolta de Kitexe, que hoje conhecemos como o Dia da Expansão da Luta Armada de Libertação Nacional e celebramos a 15 de Março. Vem-nos ainda à lembrança a vitória das FAPLA, ao lado das forças cubanas, sobre o exército racista sul-africano, na Batalha do Cuito Cuanavale, que a região da África Austral exalta a 23 de Março. Outros eventos ficam por assinalar, qualquer deles marcos de que nos devemos lembrar, para celebrar, como forma de honrar a memória de quem não se poupou na defesa da integridade territorial e dos compatriotas.

A perda de vidas humanas é o fardo mais pesado que todos carregamos. E quem nos antecedeu na edificação de Angola conheceu o sofrimento, sentiu o fedor da morte. Por isso, não temos como recompensar os nossos heróis, mártires e nacionalistas, senão passar a mensagem de que não foi em vão o sacrifício que consentiram. Vamos então tê-los sempre como exemplos; trazê-los como modelos para nós e para as gerações que se seguem; vê-los como os artífices da Angola, homens e mulheres cuja acção permitiu que hoje tivéssemos um País, um Hino, uma Bandeira; que tivéssemos identidade. E fôssemos livres.

O panteão, ainda que imaginário, abre-se, pois, a todos eles. Inclusive a quem deu a vida no conflito interno, na guerra fratricida, à qual entrou ao abraçar uma causa, ao vergar-se a um ideal. Mesmo que hoje já não faça sentido. Porque o 4 de Abril de 2002 marca a viragem.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política