Política

UNITA é acusada de fazer falsas promessas

As autoridades tradicionais do município do Cuito Cuanavale, província do Cuando Cubango, acusaram, quarta-feira, a UNITA de estar a prometer inscrever cidadãos na Caixa de Segurança Social das Forças Armadas Angolanas (CSS/FAA), em desobediência aos critérios pré-estabelecidos para o efeito.

05/03/2021  Última atualização 10H50
© Fotografia por: DR
Em declarações prestadas à imprensa, em Menongue, as autoridades tradicionais afirmaram que, no ano passado, "indivíduos afectos à UNITA efectuaram o registo de cidadãos, no Cuíto Cuanavale, supostamente para a CSS/FAA”.
O regedor da comuna do Longa, João Cambiambia, disse que, ao longo do ano passado, "mais de 300 pessoas da sua localidade deslocaram-se à cidade de Menongue, para um acto convocado pela UNITA, com a promessa de serem inseridos na CSS/FAA”.
"Muitas pessoas abandonaram as lavras e outras deixaram de praticar a pesca artesanal para virem à Menongue por causa das falsas promessas da UNITA. "Até agora não tivemos informações de alguém que tenha sido inserido na Caixa de Segurança das FAA”, afirmou.

"Juntamente com cidadãos dos municípios do Rivungo, Mavinga, Cuito Cuanavale, Calai pagamos, cada, 10 mil Kwanzas, em Outubro, em troca da nossa inserção na Caixa de Segurança Social das FAA, e até ao momento nada. Somos muitos que acreditamos nas promessas da UNITA, sobretudo porque não temos emprego”, referiu Daniel Mussami, residente na comuna do Longa. Daniel Massami disse nunca ter sido soldado das FALA, mas que a UNITA lhe prometeu enquadra-lo com a patente de tenente, "pelas consequências nefastas da guerra que assolou a região”, em particular o município do Cuito Cuanavale.
"A UNITA - afirmou - apenas solicitou os meus dados pessoais e com eles produziram uma falsa auto-biografia  e constituíram os processos, que posteriormente seriam apresentados no acto de ingresso na CSS/FAA”. "Tudo não passam de manobras para engrossar as fileiras da UNITA na região”, concluiu.


Reacção da UNITA

O segundo secretário da UNITA no Cuando Cubango, Joaquim Sapondo, negou todas as acusações feitas pelas autoridades tradicionais, salientando que o seu partido tem "a plena consciência de que o licenciamento dos efectivos das FAA é de inteira responsabilidade do Ministério da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria”.
Sapondo negou, igualmente, a informação que circula nas redes sociais, segundo a qual o primeiro secretário da UNITA no Cuando Cubango promete instalar comités de acção no Cuíto Cuanavale, mesmo sem o consentimento das autoridades tradicionais.
Esclareceu que a UNITA pretende, sim, instalar-se no Cuito Cuanavale, mas com respeito ao que está plasmado na Constituição da República.  

Weza Pascoal| Menongue

Jornalista

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política