Economia

O mundo pós-pandemia em números (3)

Num cenário em que o crescimento é liderado por pequenos Estados, metade deles economias insulares, a alta taxa de crescimento da Líbia reflecte uma recuperação modesta da catástrofe, neste caso a guerra civil, que incluirá um aumento significativo na produção de petróleo.

13/01/2021  Última atualização 12H41
Antevisão 2021 África e Médio Oriente © Fotografia por: DR
África do Sul
Crescimento do PIB: 1,5 por cento
PIB per capita: $5 110 (PPC: $12 390)
Inflação: 4,1 por cento
Saldo orçamental: (em percentagem do PIB) -9,0
População: 60,0 milhões
O Presidente, Cyril Ramaphosa, está muito ocupado a gerir uma recuperação económica pós-pandemia, evitando uma crise da dívida por meio de cortes na despesa pública e que a reforma agrária se torne um açambarcamento de terras, assim como limitando-se a manter as coisas a funcionar. Enfrenta a resistência de elementos do Congresso Nacional Africano. As conclusões de um importante relatório anti-corrupção devem ser divulgadas em Março.


Arábia Saudita
Crescimento do PIB: 2,0%
PIB per capita: $20 520 (PPC: $46 150)
Inflação: 1,6%
Saldo orçamental: (% PIB) -7,8
População: 35,9 milhões
O rei, Salman bin Abdel-Aziz al-Saud, vai contar com o filho, Mohammad bin Salman al-Saud, o príncipe herdeiro, para lidar com as consequências da Covid-19 e uma queda nos preços do petróleo. Por sua vez, o herdeiro preparar-se-á para a sua ascensão ao trono suprimindo membros rivais da família real. À medida que a pandemia se for esvaindo, revigorará a política de liberalização social combinada com um rígido controlo político.


Argélia
Crescimento do PIB: 1,3%
PIB per capita: $3 710 (PPC: $10 870)
Inflação: 2,2%
Saldo orçamental: (% PIB) 12,5
População: 44,5 milhões
Os protestos públicos vão reaparecer à medida que a emergência de saúde for diminuindo, reflectindo a frustração com o regime com a incapacidade em resolver as queixas que forçaram o autocrata de longa data Abdelaziz Bouteflika a renunciar em 2019. A constituição reformulada, que deve ser aprovada por referendo no final de 2020, faz pouco para diluir a aliança comercial, militar e política que exerce o poder. A economia vai definhar depois de uma recessão profunda em 2020.


Camarões
Crescimento do PIB: 2,5%
PIB per capita: $1500 (PPC: $3670)
Inflação: 2,7%
Saldo orçamental: (% PIB) -5,0
População: 27,2 milhões
Um crescente movimento separatista armado no ocidente anglófono ameaçará a estabilidade, agravando o descontentamento com o Presidente Paul Biya, que já vai nos sete mandatos, pela sua resposta e pelos ataques do Boko Haram, um grupo militante islâmico, no extremo Norte. A economia vai recuperar da sua queda pandémica à medida que o gás natural começar a fluir através de um novo terminal "offshore” no porto de Kribi. Serão retomados os projectos de infra-estruturas atrasados.


Egipto
Crescimento do PIB: 2,3%
PIB per capita: $3710 (PPC: $12 380)
Inflação : 5,1%
Saldo orçamental: (% PIB) -10,6
População: 102,8 milhões
O Presidente, Abdel Fattah el-Sisi, concentrar-se-á em recuperar a economia da depressão viral. Tem muito tempo: uma reforma constitucional permite-lhe governar até 2030, enquanto se aguarda a reeleição em 2024, e com maioria legislativa e pouca oposição, provavelmente fá-lo-á. Um orçamento pós-Covid mais apertado trará protestos, mas o regime está bem protegido pelo apoio das forças armadas.


Etiópia
Crescimento do PIB: 3,1%
PIB per capita: $900 (PPC: $2 250)
Inflação: 19,3%
Saldo orçamental: (% PIB) -6,0
População: 117,9 milhões
O risco de guerra civil aumentará depois de o Primeiro-Ministro, Abiy Ahmed, ter enviado o exército para a região de Tigray, no Norte, para reprimir a rebelião armada.
Eleições legislativas atrasadas provavelmente ocorrerão no início de 2021, reforçando a maioria mantida pelo Partido da Prosperidade no poder. A liberalização económica ficará em segundo plano enquanto o Governo tenta restaurar as credenciais de alto crescimento, atrofiado por duas pragas - Covid-19 e gafanhotos.


Irão
Crescimento do PIB: 2,0%
PIB per capita: $6150 (PPC: $11 510)
Inflação: 21,3%
Saldo orçamental (% PIB) -6,7
População: 85,0 milhões
A pandemia foi um golpe adicional para uma economia já atacada por sanções ocidentais, a oposição implacável dos Estados Unidos e uma queda acentuada nos preços do petróleo - tudo isso aponta para a vitória de alguém da linha dura nas eleições presidenciais de Junho. A resposta lenta à Covid-19 vai atiçar a ira pública e uma crise humanitária num sistema de saúde já enfraquecido. Após uma profunda recessão em 2020, uma forte recuperação na China impulsionará a economia do Irão.


Iraque
Crescimento do PIB: 0,7%
PIB per capita: $4 450 (PPC: $10 070)
Inflação: 1,9%
Saldo orçamental: (% PIB) -13,2
População: 41,2 milhões
Os mercados de petróleo levarão tempo a recuperar da redução da procura global causada pela pandemia e a economia dependente do petróleo do Iraque estagnará após uma profunda recessão. O Primeiro-Ministro de transição, Mustafa al-Kadhimi, tentará recuperar a economia e enfrentar os profundos desafios de governação do país, mas apenas se garantir o cargo de forma permanente nas eleições convocadas para Junho.


Israel
Crescimento do PIB: 2,5%
PIB per capita: $42 390 (PPC: $40 320)
Inflação: 0,2%
Saldo orçamental: (% PIB) -8,6
População: 9,4 milhões
Um Governo de unidade formado face à pandemia emergente previa que o Primeiro- Ministro, Benjamin Netanyahu, do partido de direita Likud, entregasse o poder a Benny Gantz, do partido de centro-direita Azul e Branco, em Outubro. Mas a coligação nunca foi estável e já foram convocadas eleições antecipadas para 23 de Março. As medidas de apoio orçamental serão retiradas ao longo do ano e o desemprego aumentará, prejudicando a recuperação. A ver: O julgamento de Netanyahu por acusações de corrupção começará a sério este mês de Janeiro. Pode ser substituído como líder do Likud, independentemente do veredicto.


Jordânia
Crescimento do PIB: 2,1%
PIB per capita: $3 690 (PPC: $8 420)
Inflação: 0,9%
Saldo orçamental: (% PIB) -12,3
População: 11,6 milhões
O descontentamento público aumentará com a queda do nível de vida, o aumento do desemprego e a austeridade pós-pandemia. O vírus limitará o apoio financeiro do Ocidente e trará para casa trabalhadores expatriados de países vizinhos em dificuldades económicas, aumentando as tensões sociais. Haverá protestos, mas o rei Abdullah II permanecerá seguro. A fragilidade das finanças públicas, ainda mais enfraquecidas pela resposta à pandemia, travará a recuperação.


Líbano
Crescimento do PIB: 1,1%
PIB per capita: $9 440 (PPC: $12 620)
Inflação: 98,8%
Saldo orçamental: (% PIB) -7,7
População: 6,8 milhões
Em nenhum lugar a vulnerabilidade à catástrofe é mais evidente do que no Líbano, onde até mesmo a Covid-19 foi eclipsada por uma explosão de fertilizantes em Agosto de 2020 que destruiu o porto de Beirute e derrubou o Governo. O Primeiro-Ministro de transição, Mustafa Adib, renunciou quando não conseguiu formar um Governo; Saad Hariri assumiu. Um colapso económico total não pode ser descartado. Um pacote de resgate do FMI é possível se puder ser formado um novo Governo.


Líbia
Crescimento do PIB; 20,9%
PIB per capita: $4 230 (PPC: $10 970)
Inflação: 7,7%
Saldo orçamental: (% PIB) -2,6
População: 7,0 milhões
Uma guerra por procuração alimentada por apoiantes internacionais em busca de influência regional está a colocar o auto proclamado Exército Nacional da Líbia (LNA) contra o Governo de Acordo Nacional reconhecido pelas Nações Unidas. Um processo de normalização política patrocinado pela ONU permanecerá suspenso até que um cessar-fogo seja negociado. A pandemia agravou um bloqueio devastador das exportações de petróleo do país pelo LNA e a economia vai recuperar apenas parcialmente.


Marrocos

Crescimento do PIB: 1,6%
PIB per capita: $3 180 (PPC: $7 700)
Inflação: 0,8%
Saldo orçamental (% PIB) -8,2
População: 37,3 milhões
O crescimento será retomado depois de a Covid-19 e a seca terem arruinado a economia, embora o desemprego persistente e as desigualdades regionais alimentem o descontentamento. Isso, e as divisões dentro do Partido da Justiça e Desenvolvimento, no Governo, prejudicarão este último, sem abalar a autoridade sob o rei Mohammed VI. Espera-se uma recuperação económica morna.



Nigéria
Crescimento do PIB: 1,0%
PIB per capita: $ 2 090 (PPC: $5 050)
Inflação: 16,8%
Saldo orçamental: (% PIB) -3,1
População: 211,4 milhões
A principal tarefa do Presidente, Muhammadu Buhari, será lidar com o declínio da economia causado pela pandemia e a queda nos preços do petróleo. Mas terá de enfrentar uma insurgência islâmica no Nordeste, o separatismo no Sul e os protestos anti-polícia que eclodiram no final de 2020. A crise vai impulsionar as conversas sobre reformas favoráveis ao mercado, mas a determinação do Governo em as implementar desaparecerá à medida que a economia recuperar.



Quénia
Crescimento do PIB: 2,0%
PIB per capita: $1 790 (PPC: $4 460)
Inflação 6,0%
Saldo orçamental: (% PIB) -9,0
População: 55 milhões
Uma resposta eficaz à Covid-19 aumentará o apoio ao Presidente Uhuru Kenyatta. As tensões dentro e entre os dois principais partidos tornar-se-ão mais intensas à medida que o Governo entra no seu último ano e uma divisão no Partido do Jubileu de Kenyatta está em curso, enquanto apoiantes do seu número dois, William Ruto, procuram uma plataforma. O financiamento internacional de emergência ajudará a revitalizar a economia. A ver: Construindo pontes. A base mais forte de Kenyatta permitirá que ele procure uma revisão da constituição discutida com a oposição, incluindo uma diluição dos poderes executivos.


Síria

Crescimento do PIB: -1,7%
PIB per capita: $1 400 (PPC: $3 780)
Inflação: 54,5%
Saldo orçamental (% PIB) -6,9
População: 16,3 milhões
A recessão provocada pela pandemia persistirá numa economia devastada pela guerra, sanções internacionais e a explosão em Beirute, uma importante rota de importação regional. Os protestos aumentarão à medida que as dificuldades económicas se forem sentindo, mas o regime do Presidente, Bashar al-Assad, tem os recursos e a influência política para se manter seguro. Uma eleição presidencial pró-forma ocorrerá em Abril ou Maio.


Zimbabwe

Crescimento do PIB: 0,4%
PIB per capita: $1 390 (PPC: $2 480)
Inflação: 223%
Saldo orçamental (% PIB) -6,65
População: 15,1 milhões
Conflitos sociais, dificuldades económicas e instabilidade política eram o melhor que o país poderia esperar antes de a Covid-19 atacar. No seu rasto, o Governo do Presidente Emmerson Mnangagwa enfrentará protestos populares crescentes. Mnangagwa afastará opositores e rivais e manterá o poder, enquanto tiver apoio militar.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política