Sociedade

Desmantelada rede de roubo de viaturas

De acordo com o SIC, as viaturas de marca Toyota, modelo Rav 4 e Corolla, de-pois de roubadas, eram adulteradas, para revenda a preços irrisórios.

04/03/2021  Última atualização 16H10
Diligências continuam para a detenção dos outros três integrantes do grupo de meliantes © Fotografia por: Edições Novembro
O porta-voz do SIC/Geral, superintendente Manuel Halaiwa, disse ontem, ao Jornal de Angola, que os cinco indivíduos foram detidos mediante acções operativas realizadas de forma sequencial, em torno de um processo-crime de roubo e furto de viaturas.
As acções operativas, disse, culminaram com o desmantelamento parcial do grupo de meliantes, composto por oito elementos, encontrando-se três em parte incerta.

Explicou que a idade dos elementos da rede de furto e roubo de viaturas vai dos 38 aos 42 anos.
O SIC, acrescentou, apreendeu uma viatura de marca Toyota modelo RAV4 de cor marrom, com a matrícula LD-26-04-BE, que havia sido furtada no dia 20 do mês passado, no município do Talatona, bairro Fubu, em que foi lesado o cidadão Agostinho Manuel Filho, 44 anos.

Foi igualmente apreendido outro Toyota modelo RAV4, cor azul, que presume-se ter sido furtado e alterado, uma vez que os detidos não conseguiram justificar a proveniência do mesmo.
Para conseguir roubar ou furtar as viaturas, segundo o SIC, os elementos da rede usavam várias chaves, mas viam o trabalho facilitado uma vez que, na sua maioria, os fechos e ignições estavam viciados.

Os meliantes encontravam as viaturas estacionadas, preferencialmente em parques de cemitérios, quando os lesados fossem enterrar ente-queridos, ou ainda de tribunais e mercados da cidade de Luanda.
Manuel Halaiwa sublinhou que o SIC está a realizar diligências para a detenção dos três elementos que compõem o grupo, bem como a apreensão de outras viaturas.

Uma fonte de SIC/Luanda explicou ao Jornal de Angola que esse não é o primeiro caso em que viaturas são roubadas, adulteradas e/ou desmontadas. Acrescentou que existem casos em que marginais, depois de roubarem ou furtarem viaturas, levam-nas para outras províncias, no sentido de serem comercializadas.
Frisou que em muitos casos existe um mandante que compra as viaturas, para uso pessoal ou para revenda.

Andre Costa

Jornalista

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política