Desporto

Líder da federação lamenta ausência da versão brasileira

Os responsáveis da versão brasileira rejeitaram participar num encontro promovido, domingo passado, pela direcção da Federação Angolana de Jiu Jitsu, na sala de reuniões do Centro de Alto Rendimento de Angola, para debater questões pertinentes sobre a modalidade.

13/01/2021  Última atualização 15H22
Lutadores do tradicional querem acabar com a desunião © Fotografia por: Edições Novembro
A ausência dos convocados deixou entristecido Luís John, presidente de direcção. Em declarações ao Jornal de Angola, John assegurou que "a situação da modalidade é constrangedora” e não compreende os motivos da ausência dos dirigentes de clubes promotores dessa versão. "Para o bem do nosso desporto, devemos ultrapassar os problemas existentes entre as duas especialidades.

Se estamos juntos, devemos trabalhar em prol do jiu jitsu. Tínhamos planeado para o encontro a integração de alguns nomes da versão brasileira na direcção da federação, mostrar o plano de trabalho e apresentar o novo corpo directivo da instituição”, explicou.
Luís John agradeceu a presença do dirigente da Matilha Team, o mestre Crisma, por "compreender a importância de trabalharmos juntos”. O dirigente disse sair do encontro com "uma impressão negativa dos restantes dirigentes convocados”. Contudo, garantiu trabalhar para se alcançar o diálogo com todos os operadores da versão brasileira.

Sob proposta do Ministério da Juventude e Desportos, os dois estilos juntaram-se na Federação e a versão brasileira ocupa, entre outros sectores, uma das vice-presidências. Desde a gestão de Nzuzi Ndombaxi, as duas especialidades (tradicional e brasileira)  estiveram sempre desavindas. Em contrapartida, o presidente da Associação Provincial de Jiu Jitsu brasileiro de Luanda, Flávio Cardoso, disse que a ausência dos restantes representantes dos clubes deveu-se à agenda "e nada tem a ver com desinteresse do grupo”. "O jiu jitsu brasileiro respeita a federação e trabalha em prol do desenvolvimento da modalidade no país. Temos boas relações com o novo elenco, e a não comparência em massa na reunião foi por outras razões pessoais”, justificou. 

Rosa Napoleão

Jornalista

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política