Economia

Litro do Jet A1 aumenta 20,97 kwanzas este mês

O litro do combustível de aviação (JET A1), para o mês de Março, regista uma ligeira subida, com os preços a apresentarem variações médias de 20,97 kwanzas.

02/03/2021  Última atualização 12H40
Combustível para o sector aeronáutico com ligeiro aumento © Fotografia por: Edições Novembro
De acordo com a publicação do Instituto Regulador dos Derivados do Petróleo, afecto ao Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, o Preço de Referência do Ajustamento - Platts (PRA) passa de 262,79 para 283,39, um avanço de 20,6 kwanzas.
Para o Preço Base na Costa (PBC) a subida observada foi de 20,52 kwanzas ao sair de 297,69 para 318,21 kwanzas. Já o Preço de Venda Ex-Logística e Distribuição (PVD) subiu 20,23 kwanzas, saindo de 350,22 para 370,45 kwanzas. Quanto ao Preço na Aeroinstalação (PVA) há uma alta de 22,55 kwanzas, a maior observada entre as quatro categorias, ao passar de 414,34 para 436,89 kwanzas.

As variáveis do mecanismo de precificação aplicado ao Jet A1 incidem sobre a taxa de câmbio e o preço dos combustíveis no mercado internacional, ao contrário do regime de preços vigiados que actualmente rege o mercado dos combustíveis.


Medidas correctivas
Em Dezembro, as autoridades legislaram o alargamento, aos demais combustíveis, do mecanismo de ajustamento mensal de preços que desde há cerca de um ano aplicado ao Jet A1, mas esse cenário só é aplicado num contexto de liberalização dos preços, ainda por adoptar.
O Executivo considera que os preços dos derivados do petróleo bruto e do gás natural em Angola carecem de um melhor enquadramento, para melhorar a eficiência do mercado a médio prazo, decidindo instituir um modelo mais eficaz, tendo como referência as práticas internacionais.

Um Decreto dos Ministérios dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás e das Finanças emitido em Dezembro, estabelece um regime de preços fixados para o gás de petróleo liquefeito (GPL) e petróleo iluminante, enquanto, a gasolina, gasóleo e Jet A1 ficam sujeitos a um regime de preços vigiados.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo

Opinião

Política